Além de Brasília: conheça 3 outras capitais que são cidades planejadas

Imagem do satélite Hodoyoshi 1 mostra o desenho do Plano Piloto de Brasília e das regiões administrativas nos arredores. Foto: Axelspace Corporation CC BY-SA 4.0

Brasília completa, nesta quinta-feira (21/4), 62 anos desde que foi oficialmente inaugurada pelo então presidente Juscelino Kubitschek e estabelecida como a nova capital do Brasil, substituindo o Rio de Janeiro.

Dos tantos fatos marcantes sobre a cidade, chama a atenção a rapidez com a qual Brasília foi construída, do zero: em pouco mais de quatro anos (1956-1960).

É claro que a cidade continuou um grande canteiro de obras por pelo menos duas décadas depois da inauguração. Ainda assim, a infraestrutura necessária para o funcionamento da nova capital já estava quase toda pronta naquele 21 de abril de 1960.

O Plano Piloto de Brasília, do desenho do urbanista Lucio Costa, rendeu muitos elogios à época. Hoje, porém, o projeto recebe críticas pelo excesso de dependência nos carros e por não ter previsto o crescimento da cidade — um movimento irresistível dos brasileiros rumo ao interior e à nova capital contra o qual não havia como interromper.

Brasília também não é a primeira cidade especialmente feita para ser a capital de um país. Veja abaixo outros três exemplos notáveis de capitais nacionais planejadas.

Washington, D.C. (Estados Unidos)

Washington, D.C., vista a partir do Estádio JFK Memorial. Foto: Duane Lempke, CC0

Assim como Brasília, Washington foi desenhada a partir de um plano urbanístico: o plano L’Enfant, traçado pelo engenheiro franco-americano Pierre L’Enfant em 1791 — apenas 15 anos depois da Independência dos Estados Unidos.

Veja abaixo como era o Plano L’Enfant

O Plano L’Enfant, criado para a nova capital dos Estados Unidos, que se tornaria Washington. Imagem: Biblioteca do Congresso dos EUA, domínio público.

Até então, a capital dos EUA ficava em Filadélfia, na Pensilvânia. Uma das razões para a transferência da sede do governo, aprovada por um ainda recente Congresso Nacional em 1790, era a localização da nova cidade: a confluência dos rios Potomac e Anacostia, entre os estados de Virgínia e Maryland. Ali, ficaria o Distrito de Columbia, que é o distrito federal dos Estados Unidos.

A ideia de colocar ali a nova capital era do então presidente americano, George Washington — que batiza a capital americana. Vale lembrar que, naquela época, o território dos EUA ainda se concentrava na costa leste da América do Norte. Portanto, a cidade teria que ficar em um local de fácil navegabilidade entre as antigas 13 Colônias.

Em outra semelhança com Brasília, Washington tem regras para a altura dos prédios: os edifícios comerciais na capital dos EUA não podem ultrapassar os 130 pés — isso dá em torno de 40 metros de altura. Apenas construções públicas e governamentais passam disso. E a ideia é justamente que nenhum arranha-céu se sobreponha ao Capitólio, sede do Congresso.

Capitólio e o obelisco Washington Monument, em Washington, D.C.. Foto: Duane Lempke, CC0

Uma diferença entre as capitais brasileira e americana é que o Distrito de Columbia tem uma área bastante reduzida e que ocupa apenas a cidade de Washigton propriamente dita. A periferia está toda nos estados de Maryland e Virgínia.

Por sua vez, o Distrito Federal do Brasil tem mais de 30 vezes a área do Distrito de Colúmbia. Além disso, embora o IBGE considere Brasília como o único município do DF, o território tem outros centros urbanos e se divide em regiões administrativas que vão além do Plano Piloto.

Canberra (Austrália)

Parlamento da Austrália, em Canberra. Foto: CC BY-SA 3.0

A capital australiana guarda semelhanças com a brasileira: as duas foram fundadas no Século XX nas margens de um lago artificial. Canberra, ao redor do lago Burley Griffin; e Brasília, do lago Paranoá.

Canberra nasceu da necessidade de uma nova capital para a recém independente Austrália, que formou uma comunidade de seis colônias em 1901. As duas maiores cidades, Sydney e Melbourne, queriam o posto. A solução encontrada foi instalar a sede do governo australiano no meio do caminho entre ambas.

O projeto urbanístico de Canberra tem assinatura do casal de engenheiros americanos Walter Burley Griffin — que dá nome ao lago artificial da cidade — e Marion Griffin. O plano foi escolhido em 1912 após um concurso internacional. No ano seguinte, o governo australiano inaugurou oficialmente a cidade.

O Plano Griffin, traçado para a capital australiana, Canberra. Imagem: CC BY-SA 3.0

A rápida transferência da capital veio com um porém: a recém criada cidade estava vazia nos primeiros anos. Segundo o Museu Nacional da Austrália, em 1913 havia mais ovelhas do que gente em Canberra. Houve inclusive um trabalho governamental para levar pessoas para lá, mas a Grande Depressão de 1929 e a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) atrasaram os planos.

Hoje com quase 400 mil habitantes, Canberra tem vida própria em relação a outras cidades australianas e é inclusive uma localidade relevante para a prática de esportes. A cerca de 200 km dali — uma distância não muito grande, em se tratando da Austrália, fica o Monte Kosciuszko, principal cadeia de montanhas australiana que abriga estações de esqui.

Abuja (Nigéria)

Portão simbólico em complexo viário de Abuja, capital da Nigéria. Foto: Fatima – CC BY-SA 4.0

A capital nigeriana é um caso recente. Abuja foi planejada e construída ao longo da década de 1980 para ficar pronta em 12 de dezembro de 1991, quando a Nigéria transferiu de Lagos para lá a capital. Lagos, no litoral, continua sendo a maior cidade do país africano.

O centro cívico de Abuja, onde ficam os prédios governamentais mais importantes, foi projetado pelo arquiteto japonês Kenjo Tange. Diferentemente de Washington, Canberra e, principalmente, Brasília, a massa urbana ao redor desse centro é bem menos uniformizada, lembrando uma cidade comum.

Abuja foi idealizada, assim como a capital brasileira, para interiorizar um país em rápido crescimento populacional. Lagos, a antiga capital, atualmente abriga mais de 23 milhões de habitantes — é a cidade mais populosa de todo o continente africano.

Aliás, toda a Nigéria passa por um crescimento populacional muito alto: o país já tem mais de 200 milhões de habitantes. É o sétimo mais populoso do mundo, logo atrás do Brasil, com cerca de 210 mil — sendo que o território brasileiro é quase 10 vezes o tamanho do nigeriano.

Hoje, Abuja tem quase 800 mil habitantes e já está entre as oito maiores cidades nigerianas. Tem um custo de vida mais alto do que outras localidades no país, mas está, entretanto, entre as mais seguras metrópoles da Nigéria.

Outras capitais planejadas

Moderno centro de Nur-Sultan, capital do Cazaquistão. Foto: Алексей ТаракановCC BY-SA 2.0

Washington, Canberra e Abuja são apenas três exemplos de capitais construídas em cidades planejadas pelo mundo. Algumas dessas capitais foram montadas a partir do zero em uma localização pré-definida. Outras tiveram um novo plano urbanístico instalado em uma antiga cidade ou vilarejo. Veja exemplos de capitais planejadas abaixo:

  • Ancara (Turquia) — planejada sobre uma antiga e histórica vila no centro do país em 1923, após a formação da Turquia moderna com a queda do Império Otomano;
  • Belmopan (Belize) — construída em 1970 após um furacão devastar o litoral;
  • Dodoma (Tanzânia) — declarada capital nacional em 1996, após ser reinaugurada com um plano urbanístico criado em cima de uma cidade existente;
  • Gaborone (Botsuana) — inaugurada em 1964 após somente três anos de construção;
  • Islamabad (Paquistão) — concluída em 1967 a partir de um plano montado por uma empresa grega de urbanismo para interiorizar a capital paquistanesa;
  • Naypyidaw (Mianmar) — construída de 2004 a 2005 como um grande projeto dos militares para mostrar poderio político
  • Nova Déli (Índia) — planejada ao lado da antiga Déli em 1911 para transferir a capital da então Índia Britânica, que ficava em Calcutá;
  • Nursultan (Cazaquistão) — rebatizada em homenagem ao ex-presidente cazaque, o projeto urbanístico do japonês Kisho Kurokawa foi montado em cima de um povoado já existente ao longo do século XX;
  • Sri Jayawardenepura Kotte (Sri Lanka) — construída em cima de uma cidade satélite da antiga capital, Colombo, em 1982;
  • Valletta (Malta) — planejada em um sistema de “grades” no Século XVI, sendo uma das primeiras cidades planejadas da história;
  • Yamoussoukro (Costa do Marfim) — reconstruída entre os anos 1970 e 1980 sobre uma antiga vila no centro do país.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s